UBATUBA

                       
   
 
Aspéctos Geográficos
  Localizado no Litoral Norte do Estado de São Paulo, dista da capital 262 km, limita-se ao norte com Paraty, ao sul com Caraguatatuba (SP), à oeste com Cunha, São Luiz do Paraitinga e Natividade da Serra (SP) e à Leste com Oceano Atlântico.
  • Altitude: 3 a 6 metros

  • Clima: Tropical úmido

  • População: 75.000 (Setenta e Cinco Mil) habitantes (aproximadamente).

ORIGEM DO NOME - O nome UBATUBA é de origem indígena, composto pelos vocábulos: UBÁ (canoa) e TUBA (muitas)
 
HISTÓRIA DE UBATUBA - DATA DA FUNDAÇÃO: 28/10/1637
  Ubatuba traz vários episódios, marcos e registros históricos vinculados à própria história do Brasil.

Os índios tupinambás foram os primeiros habitantes da região de UBATUBA. Eram excelentes canoeiros e viviam em paz com os índios tupiniquins, da região de São Vicente, até a chegada dos portugueses e franceses.

Os franceses mantinham relações de escambo com os tupinambás e os incitaram contra os portugueses. Os portugueses mantinham relações de escambo com os tupiniquins e procuravam escravizar os tupinambás. Os tupinambás e os Tupiniquins se organizaram formando a CONFEDERAÇÃO DOS TAMOIOS (tamoios: Os mais antigos da terra) e passaram a enfrentar os portugueses. Foi nesta época que o Alemão HANS STADEN ficou prisioneiro dos índios e dessa experiência resultou o livro: "DUAS VIAGENS AO BRASIL". Em 1563, os jesuítas Manoel da Nóbrega e José de Anchieta partiram de São Vicente com destino a aldeia de Iperoig com missão de pacificar os índios. Como os tamoios desconfiaram da palavra dos portugueses, Anchieta ficou preso durante vários meses, enquanto Nóbrega voltou a São Vicente para finalizar o tratado "A PAZ DE IPEROIG" (Primeiro Tratado de Paz firmado nas Américas). Anchieta enquanto prisioneiro escreveu na areia da Praia do Cruzeiro, o célebre poema: "POEMA À VIRGEM".

Com a paz restabelecida, o Governador Geral do Rio de Janeiro, tomou providências para colonizar a área, com a intenção de assegurar a posse para a colônia de portugueses. A aldeia foi elevada a categoria de Vila em 28/10/1637 com o nome de VILA NOVA DA EXALTAÇÃO DA SANTA CRUZ DO SALVADOR DE UBATUBA.

Os povoadores gradativamente instalaram-se ao longo da costa utilizando o mar como principal meio de transporte. Ainda hoje são encontradas ruínas de fazenda nas planícies, nos recôncavos das baías e enseadas e nas ilhas que defrontam o Litoral.

A prosperidade das fazendas refletiu nos centros urbanos, onde construções começaram a surgir e pequenas indústrias se instalaram, engenhos de açúcar, serrarias, fornos de olaria, estaleiros e embarcações.

Em 1787, o Presidente da província de São Paulo decretou que todas as embarcações do Litoral fossem obrigadas a se dirigirem a Santos, onde, aliás, os preços obtidos eram bastante inferiores. A partir dessa pressão do governo, Ubatuba entrou em franca decadência com muitos fazendeiros, abandonando muitos canaviais. Quem ficou, cultivou apenas o necessário para a subsistência.

Em 1808, a Família Real Portuguesa, fugindo das tropas napoleônicas transferiu-se para o Brasil devido a pressão dos ingleses que ajudaram na fuga. D. João abriu os portos brasileiros ao comércio estrangeiro e beneficiou diretamente o porto de Ubatuba. O comércio reacendeu suas atividades através do café, recentemente trazido do norte do Brasil, do ressurgimento dos canaviais, do fumo e dos cereais. O movimento do porto de Ubatuba intensificou-se passando para o primeiro lugar no Litoral Norte, ajudado pela estrada da serra que ligava Ubatuba ao Vale do Paraíba, via Taubaté, uma estrada que chegou a ser calçada com pedras naturais para sustentar o intenso tráfego de burros carregados de mercadorias. Inúmeras fazendas se instalaram ao longo da costa, a maioria hoje lembrada apenas pela presença de algumas ruínas ou pelo nome dado a praia ou ao local, Lagoa, Lagoinha (ruínas do moinho e da fábrica de garrafas), Picinguaba, Maranduba, Jundiaquara, Ubatumirim, etc. Na cidade ergueram-se sobrados que atestavam os recursos fartos dos comerciantes. Hoje sobra apenas o Casarão do Porto, antiga residência e armazém de Manoel Baltazar Fortes; hoje sede da FUNDART - FUNDAÇÃO DE ARTE E CULTURA. Os outros foram demolidos em nome do progresso. Ubatuba viveu seu apogeu no decorrer do império até os primórdios da República. Quando a estrada de ferro D. Pedro II foi construída entre Rio de Janeiro e São Paulo desviando as exportações do porto de Ubatuba, a cidade entrou em crise novamente. Uma tentativa de construir uma ferrovia entre Taubaté e Ubatuba foi vista com muita esperança sendo importados trilhos da Inglaterra, porém o Governo Federal do Presidente Floriano Peixoto suspendeu a garantia de juros sobre o valor do material importado, provocando a falência do Banco de Taubaté, e, em conseqüência a da Companhia Construtora. Com o fracasso da estrada de ferro, Ubatuba entrou em franca decadência. A população diminuiu até 2.000 (duas mil) pessoas. A estrada da serra sumiu no meio do mato e o tráfego marítimo foi reduzido a um navio de dez em dez dias, no caminho entre Santos e Rio de Janeiro. Ubatuba virou uma cidade isolada necessitando uma viagem de seis dias para chegar a São Paulo e uma viagem de dois dias de mula para subir a serra até Taubaté. Não havia estrada terrestre ao longo do Litoral, e toda a comunicação era feita através de canoas. Uma tentativa de atrair colonos europeus fracassou e tudo que resta hoje é a Estação Experimental (Horto Florestal). Depois de várias tentativas e movimentos, foi conseguida no dia 21 de setembro de 1982 uma tentativa nova, ligando Ubatuba a Taubaté. A energia chegou em 1969 depois da instalação da Petrobrás em São Sebastião.

O Posto da Petrobrás de São Sebastião hoje recebe combustível de navios de vários portos através de oleodutos, sucedendo-se a especificação do óleo para posteriormente abastecer navios cargueiros. O óleo então beneficiado é utilizado na alimentação das caldeiras.

OBS.: EM 1554 PASSOU DE VILA A DISTRITO E EM 28/10/1637 PASSOU A MUNICÍPIO, PORTANTO, DATA DE SUA FUNDAÇÃO. EM 1972 TORNOU-SE COMARCA, POR FORÇA DA LEI ESTADUAL No. 163 DE 27/09/1948 PASSOU A ESTÂNCIA BALNEARIA.

 

SEMANA ANCHIETA

À partir de mês de setembro de 1997, através de Lei Municipal, foi instituída a Semana Padre Anchieta, comemorativa ao 4º. Centenário do jesuíta Padre José de Anchieta, sendo erguida uma estátua no local onde este escreveu o POEMA A VIRGEM, tornando-se hoje uma atração turística e local de visitação pública.

 

ROTEIRO GEO-TURÍSTICO

       
CACHOEIRAS
  1. CACHOEIRA DA ESCADA

A beira da estrada no km 03 da BR 101 (Rodovia Rio-Santos) à 47 km do centro da cidade, em direção ao Rio de Janeiro. Uma das maiores cachoeiras de Ubatuba, com formato de uma gigantesca escada, formando várias quedas d’água. Possui um bar permanente, com petiscos e lanches.

2. CACHOEIRA DO IPIRANGUINHA

A 7 km do centro da cidade pela Rodovia SP 125 em sentido à Taubaté, no bairro Ipiranguinha. Esta cachoeira é cercada de verde por todos os lados, possui uma queda d’água de 07 metros de altura formando uma pequena praia e partes mais fundas, onde os banhistas escorregam por uma pedra lisa, num mergulho refrescante.

3. CACHOEIRA DA SERRA

Também conhecida como cachoeira do Pé da Serra. Fica no começo da serra em sentido Taubaté, pela Rodovia SP 125, a 9 Km do centro da cidade. É uma pequena cachoeira, que forma várias quedas. Muitas pessoas vão até a cachoeira para pegar um pouco de sua água que é cristalina e saborosa. Um alerta para quem vai até lá: A FAIXA DE ACOSTAMENTO É PEQUENA, VERIFIQUE SE SEU CARRO ESTÁ BEM ESTACIONADO, PARA EVITAR ACIDENTES.

4. CACHOEIRA DA RENATA

Situa-se no Sertão da Quina, a 1a. entrada está à 5 km da Maranduba. Um encachoeirado que forma vários tufos de água cristalina, formando piscinas naturais. Conta também com um bar permanente, onde é servido petiscos, drinks e lanches variados. O estacionamento é cobrado por taxa.

5. CACHOEIRA DA ÁGUA BRANCA

Do Sertão da Quina, já se tem início a trilha, 10 km de caminhada em meio a vegetação da Mata Atlântica. Conhecida também como Véu de Noiva devida a imensa queda d’água calculada em 300 metros de altura. É imprescindível a orientação de um guia ecológico. Na região, a beira da cachoeira, encontra-se uma clareira para acampamentos. OBS.: TUR. ECOLÓGICO CONTATO TEL. 420191 (ZUMBI-GUANHUMBI).

6. CACHOEIRA DO PROMIRIM

A 25 km do centro da cidade, no km 30 da BR 101 (Rodovia Rio-Santos) à margem da Rodovia. É realmente uma das mais belas cachoeiras de Ubatuba. São várias quedas d’água, uma delas forma um escorregador natural que termina em um dos lagos, em seguida uma grande queda termina formando o maior de todos os lagos. Toda essa natureza tropical está reservada, para preservá-la, é proibido o uso de sabonetes, shampoo, ou qualquer outro tipo de produto químico. É proibido também deixar lixo no local para que o ecossistema, permaneça sempre puro.

7. CACHOEIRA DOS MACACOS (POÇO VERDE)

Fica a 7 km do centro da cidade em sentido Taubaté, pela Rodovia SP 125. A Cachoeira dos Macacos, fica no Bairro do Horto Florestal. O acesso é feito saindo da Rodovia à esquerda, antes da ponte que corta o ribeirão da Estação Experimental, pela estrada de terra, chega-se a parte mais profunda da cachoeira, conhecida pelos caiçaras como Poço Verde. Alguns banhistas mais aventurados mergulham de uma árvore que fica bem acima do poço. O ribeirão é limpo e suas águas cristalinas mostram os pequenos animais, como o pitu, o lambari, etc. Nada como um banho refrescante depois da praia.

OBS.: SUSPENSA TEMPORARIAMENTE PARA VISITAÇÃO, POIS LÁ ENCONTRA-SE A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUAS PARA O ABASTECIMENTO MUNICIPAL.

8. CACHOEIRA DO ESPELHO

A entrada para se ir em direção à magnífica cachoeira é no km 20 da BR 101 (Rodovia Rio-Santos), pegando-se a estrada de terra que leva em direção ao Sertão do Cambucá. O caminho até a cachoeira pode ser feito a pé, pelo meio da mata. É necessário contratar um guia, que o conduzirá através da trilha ecológica, com todas as informações necessárias sobre o local. Sendo uma das mais interessantes. O seu lago possui uma enorme pedra no centro, com uma camada de água por cima. Quando os raios do sol batem na pedra, tem-se a impressão de estar diante de um imenso espelho entre as árvores.

 
RUÍNAS          
  1. RUÍNAS DA PRIMEIRA FÁBRICA DE VIDROS DO BRASIL

Distante a 25 km do centro da cidade, pela Rodovia Ubatuba - Caraguatatuba, no Bairro da Lagoinha, do lado esquerdo da pista. Caracterizado por colunas de pedras, as ruínas marcam inícios da construção da primeira fábrica de vidros do Brasil, para o engarrafamento de aguardente. Fabricado em Ubatuba. Mas, como o governo de Portugal exigiu que as garrafas fossem importadas, não permitiu a conclusão do projeto.

2. RUÍNAS DO ANTIGO ENGENHO

Também conhecida como CASA DA FARINHA, localiza-se no Sertão da Fazenda da Caixa, ao norte da Rodovia, e faz parte de um conjunto de ruínas de uma antiga usina de açúcar e álcool, construída no final do século passado, por imigrantes italianos. Abandonada a usina, aproveitou-se a roda d’água para movimentar os aviamentos de uma casa da farinha, construída na década de 50. a qual foi recuperada em 1986. Atualmente a CASA DA FARINHA é utilizada pelos produtores locais da mandioca e também apreciada como objeto histórico que, tendo sido restaurado, reintroduziu uma tecnologia patrimonial de importante valor cultural, social e econômico.

3. RUÍNAS DA PRAIA DA LAGOA

A 33 km do centro da cidade, sentido Ubatuba - Caraguatatuba e a 5 km da Rodovia. Supõe-se que esta área tenha servido de base para o contrabando de escravos. Atualmente está sem conservação e o acesso é precário. Vedado a visitação pública inexplicavelmente.

4. RUÍNAS DO IPIRANGUINHA

Em sentido Bairro do Ipiranguinha pela Rodovia SP 125, o acesso pode ser efetuado pela Cachoeira do Ipiranguinha, se for à pé, siga por uma trilha, ou de carro por uma estrada de terra, pelo Horto Florestal, ao lado do Rio. Essas ruínas são parte de uma grande construção do século XVII, servindo de senzala, ao tráfico de escravos para o Vale do Paraíba. Hoje encontra-se em péssimo estado, sendo desconhecido por muitos moradores de Ubatuba.

5. RUÍNAS DA LAGOINHA

O acesso pela Rodovia Ubatuba-Caraguatatuba, Bairro da Lagoinha, distante a 25 km do centro da cidade, entre a direita da RUÍNA DA FÁBRICA DE VIDROS, numa estrada distante a 500 metros da rodovia. Ali encontra-se a ruína da antiga construção da fazenda do Engenho do Bom Retiro, construída no final do século XVII. Além do cultivo do café e do açúcar mascavo, também fabricava-se aguardente. Alguns ainda dizem que esta fazenda era usada para o tráfico negreiro na época. O processo de tombamento foi concluído em 1986. Ainda podemos encontrar em seu interior o que restou de uma roda d’água, uma pedra de granito de 1,60 metros de diâmetro em formato circular e pelo lado de fora podemos observar a canalização que levava água da roda, que passava atrás da construção para mover a grande roda d’ água que funcionava como mecanismo dentro da casa. Vale a pena conferir!

 

GRUTAS

       
  1 - GRUTA QUE CHORA

Objeto de muitas lendas, é mais um interessante passeio. A gruta que chora, fica na praia da Sununga, com acesso a praia do Lázaro, saindo do centro da cidade, segue-se rumo ao sul pela rodovia Ubatuba - Caraguatatuba. Está gruta tem o formato de um grande funil, virado de boca para a praia. Suas paredes são de segmentos vulcânicos. Quando são emitidos som em seu interior, as paredes vibram fazendo com a quantidade de água nascente que passa por cima da gruta caia do teto, geralmente o teto da gruta está sempre pingando, devidos aos ruídos das violentas ondas da praia da Sununga, que se quebram na areia e na costeira.

 

TRILHAS

       
  1 - TRILHA DO CORCOVADO

Procurada o ano inteiro por praticantes de TRAKKING, conta com aproximadamente 1160 metros de altitude. Tem início nas imediações da Praia Dura até o Sertão do Bairro do Corcovado. Depois é mata fechada e terreno íngreme. A maior parte do percurso é feita em área de reserva, monitorada pelo Parque Estadual da Serra do Mar. É obrigatório o acompanhamento de um monitor de ecoturismo. Percurso de 15 km.

2 - TRILHA DO CORISCO

Fica no Núcleo Picinguaba, no extremo norte do município. Tem como ponto de partida a Casa da Farinha, em sentido a serra até o ponto do corisco, passando por uma fazenda abandonada, chamada fazenda do Coronel. Pode-se ver muitos animais passeando, uma figueira centenária e uma bela cachoeira. Duração da caminhada ‘é aproximadamente de 6:00 horas.

3 - TRILHA DAS SETE FONTES

Partindo do Píer do Saco da Ribeira, toma-se a estradinha de terra que passa pela Praia do Flamengo e Flamenguinho, depois o caminho freqüentemente usado pelos moradores da Praia de Sete Fontes, onde formam uma pequena aldeia de pescadores. Ideal para passar o dia porque conta com bares de praia muito agradáveis. O acesso é possível somente à pé ou de barco. Num total de 4 horas de caminhada, ida e volta.

4 - TRILHA DA PRAIA DE FORA OU DO BOQUEIRÃO

Início pela Praia da Enseada, com aproximadamente 4 km percorríveis em 2 horas. Por passar por propriedades particulares é importante a presença de um monitor de ecoturismo. Os atrativos dessa trilha são as praias do Godoy, Xandra, Itapecerica e de Fora. Caminhada leve.

5 - TRILHA DO SACO DAS BANANAS

Possível praticá-la em qualquer época do ano. A trilha tem início na Maranduba até a Praia da Lagoa. De acesso livre até o Saco das Bananas, daí pra frente se faz necessária e obrigatória a presença de um monitor de ecoturismo, porque a mata é fechada. Caminhada de 15 km, partindo da Paia do Pulso ao sul do município. Dificuldade moderada.

6 - TRILHA DO BONETE

Tem início pela Praia da Lagoinha, ao sul do município. A trilha é composta por 5 praias paradisíacas, cujo vilarejo caiçara oferece o prazer de se petiscar um bom peixe e se deliciar com o belíssimo visual da Ilha do Mar Virado. O tempo de caminhada é de 1:30 horas.

7 - TRILHA DA CACHOEIRA DA ÁGUA BRANCA

Do Sertão da Quina tem início a trilha, 10 km de caminhada em meio a vegetação da Mata Atlântica. Conhecida também como véu de noiva devida a imensa queda d’água calculada em 300 metros de altura. É imprescindível o acompanhamento de um monitor de ecoturismo. Dificuldade moderada.

8 - TRILHA DO POÇO DA RASA

A caminhada é leve. A trilha está dentro do Núcleo Picinguaba, responsável pelo Parque Estadual da Serra do Mar. Com um percurso de 10 km percorríveis em 4 horas, o início é próximo a um antigo engenho, adaptado para processar farinha mandioca, chamado hoje de "CASA DA FARINHA".

9 - TRILHA DO PICADÃO DA BARRA

Presença obrigatória de um monitor de ecoturismo por estar dentro do Parque Estadual da Serra do Mar. Usada anteriormente como trecho de ligação entre a Praia da Fazenda e Vila Picinguaba, é caracterizada pela restinga e mangue. Exibindo um ecossistema exótico com trecho de beleza indiscritível. Tem duração de uma hora.

 
   

ROTEIRO TÉCNICO E CIENTÍFICO

   
  01 - CRISTO REDENTOR

Praia do Itaguá - Jardim Acaraú

02 - MARCO DO III CENTENÁRIO DE UBATUBA

Praça Exaltação à Santa Cruz

03 - PEDRA DO SINO

Praia da Santa Rita

04 - PEDRA DA TARTARUGA

Praia da Picinguaba - Vila da Picinguaba

05 - CRUZEIRO DE ANCHIETA

Marco Histórico da "Paz de Iperoig" - Pr. do Cruzeiro - Centro

06 - FUNDAÇÃO CAPRICÓRNIO (TEMPORARIAMENTE FORA DE FUNCIONAMENTO)

A Fazenda Capricórnio, transformou-se em fundação em 1991, com vinte cinco anos de idade. Como exemplo de desenvolvimento sustentado e o resultado de esforço de seu proprietário, o engenheiro agrônomo e florestal dinamarquês Hans Scavenius que projetou, para combinar progresso com preservação ambiental. A fazenda possui criação de búfalos, marrecos, peixes, plantação de cacau, dendê, canela, palmito, essências florestais, e abriga um numero incontável de espécies da fauna e da flora da Mata Atlântica. A fazenda Capricórnio tem despertado interesse nos pesquisadores internacionais e nacionais. A fundação atua nas áreas de educação ambiental e eco-turismo, visando receber estudantes, pesquisadores e turistas interessados em conhecer a Mata Atlântica. A capacidade de acomodação é de 20 pessoas. Fica na estrada do Taquaral, próximo ao Perequê-Açu, na BR 101 - Rod. Rio-Santos sentido Paraty a 100 metros. antes do trevo do Perequê-Açu. Acesso pelo lado esquerdo da Placa Bairro do Taquaral. A causa ambientalista está fundamentada não apenas na romântica defesa da Natureza, mas também na melhoria da qualidade de vida do Homem enquanto parte dessa mesma natureza. O equilíbrio ambiental naturalmente existente, ao mesmo tempo sólido e frágil, não é um equilíbrio estático e sim dinâmico, interdependente, criado através de um lento trabalho evolutivo que deve ser respeitado para se renovar e prosseguir. A urgência no aprimoramento das diferentes formas de se dar prosseguimento a essa tarefa, se torna evidente quando se observa, por exemplo, a situação florestal em que se encontra hoje o Estado de São Paulo. Com menos de 5% de suas florestas nativas originais, concentradas na região litorânea, torna-se obvia a necessidade da preservação desse inestimável patrimônio ambiental que ainda possuímos. No Litoral do Estado, a Mata Atlântica se encontra ainda quase intacta, em que pese a persistente ação predatória do homem. A criação de Parques, Reservas Ecológicas e outras unidades de conservação, sem dúvidas muito contribuiu para que isso de desse. As cabeceiras dos mananciais, às inúmeras espécies vegetais típicas da mata pluvial tropical, a rica fauna regional, a fantástica cadeia alimentar que envolve os rios, os manguezais e o oceano, a paisagem dominante das escarpas da Serra do Mar, tudo isso ainda sobrevive sob a ameaça constante dos desmatamentos clandestinos, da caca predatória, do comércio ilegal de animais silvestres, do roubo de palmito e madeira, da grilagem de terras, invasões dos parques, dos loteamentos irregulares. A morosidade da ação da justiça tolhe a ação dos órgãos oficiais e entidades civis que lutam muitas vezes ingloriamente para dar continuidade as autuações e embargos dessas ações que degradam. A incompreensão do binômio preservação -desenvolvimento, até então tratado como opostos, têm deixado seqüelas durante o processo de ocupação da região, tais como o empobrecimento da população nativa e o vertiginoso desaparecimento das florestas e seus recursos naturais.

Acredita-se que possa dar uma importante contribuição em diversas áreas ainda não facilmente preenchidas por grupos ambientalistas hoje existentes.

Desenvolvido pelo engenheiro agrônomo e florestal dinamarquês Hans Scavenius, esse trabalho aliou plantações de cacau, dendê, cravo, canela, palmito, essências florestais, ervas medicinais, plantas ornamentais, à criação de búfalos, marrecos e peixes, à pesquisas voltadas à investigação científica sobre a fauna e a flora regional. Atualmente fechado para visitação.

07 - PARQUE ESTADUAL DA ILHA ANCHIETA

Em 1908, foi inaugurada a Colônia Correcional do Porto das Almas. Em 1928, entra em funcionamento o presídio político da Ilha dos Porcos, em 1952 ocorreu a rebelião e foi desativado em 1955. Em 1977, foi criado o Parque Estadual da Ilha Anchieta, que conta com uma área de 1.000 hectares, cobertos pela Mata Atlântica. Abriga ruínas de um antigo presidio estadual e lindas praias selvagens. Nesse local é proibida a pesca de qualquer tipo. A Ilha está à 600 metros do continente. Permite ainda caminhada por uma trilha que dá acesso a vista exuberante de praias da Ilha. Há placas indicativas relacionadas a natureza local. O visitante pode encontrar alguns animais que fizeram parte do repovoamento.

08 - PROJETO TAMAR

O projeto TAMAR - Projeto Tartaruga Marinha foi criado em 1980 para proteger da extinção ao únicas espécies de tartarugas que utilizam o litoral brasileiro para se alimentar e se reproduzir. Desde 1991, o TAMAR vem atuando em Ubatuba, litoral norte de São Paulo, desenvolvendo o programa de proteção das espécies em áreas de alimentação, com atividades voltadas à educação ambiental, pesquisa científica e ações sociais e comunitárias, envolvendo os moradores locais. A Base do TAMAR em Ubatuba, conta com um centro de visitantes onde estão expostas em tanques, exemplares vivos de quatro diferentes espécies de tartarugas marinhas, uma maquete representando a desova e nascimento de filhotes, painéis fotográficos, museu com peças naturais, auditório de exibição de vídeos, biblioteca para consulta, loja de souvenirs, lanchonete e ainda o Museu Caiçara com um acervo de mais de 200 peças. Os visitantes são atendidos por monitores que prestão informanções sobre o TAMAR e as tartarugas marinhas. Seu endereço é: Projeto TAMAR - IBAMA - Base Ubatuba, rua Antônio Athasio da Silva, 273 - Itaguá, Ubatuba SP. CEP 11680-000. Fone (012) 432-6202, 432-7014 - e-mail: tamaruba@netvale.com.br - www.ongba.org.br/org/tamar - www.e-net.com.br/tamar.

09 - MUSEU DO MAR

O Museu do mar foi criado por iniciativa da família Sisla, quando começaram a colecionar matéria prima alusiva ã vida marinha na Praia de Sete Fontes onde possuíam uma pousada, Por incentivo de amigos e curiosos, e pela proporção de seu acervo, resolverão criar organizadamente esta exposição monitorada facilitando assim o acesso para pesquisadores e visitantes. Contando com mais de 500 conchas do mundo todo. Crustáceos, corais, estrelas do mar do litoral brasileiro. Conchas marinhas e crustáceos do oceano Atlântico e do oceano Pacífico, dá para se conhecer curiosidades marinhas que nem se imagina. Tudo isso está localizada na: Av. Chico Santos, 298- Itaguá - Ubatuba

Telefones (012) 974.2681- 432.5914

Horário de temporada e feriado: das 8:00h às 20:00h

Baixa temporada das 10:00h as 18:00h

10 - ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DO HORTO FLORESTAL

Fica na Rodovia Oswaldo Cruz a 6 km do centro da cidade, rumo a Taubaté. A Estação Experimental do Horto Florestal de Ubatuba, pertence a Secretaria de Agricultura, e é umas das redes de estações experimentais do Instituto Agronômico (Campinas). Finalidade: pesquisas com plantas condizentes com o clima e o solo da região. Culturas Principais: Palmito, cacau, melhoramentos da cana-de-açúcar, mandioca, seringueira e especiarias como baunilha, cravo da índia , canela etc. Horário de visita: Segunda à Sexta- feira das 7:00 ás 11:00 e das 12:30 horas ás 16:00 horas.

11 - BASE DO INSTITUTO OCEANOGRÁFICO DA UNIVERSIDADE DE S.PAULO

Praia do Lamberto. Base norte do Instituto Oceonográfico da Universidade de São Paulo, exclusivo para pesquisas e inacessível ao público.

12 - INSTITUTO DE PESCA

O instituto de pesca, criado pelo decreto 51650 de 8 de Abril de 1969, originou-se da transformação da divisão de proteção e produção de peixe e animais silvestres, do Instituto do Departamento de Produção Animal da Secretaria de Agricultura. Compõem-se em duas divises técnicas: a diviso da pesca interior, com sede em São Paulo e a divisão de pesca marítima, com sede em Santos. Em Ubatuba o Instituto de Pesca desenvolve, desde 1976, pesquisas em multicultura. Inicialmente, realizam estudos do mexilhão perna-perna, em bancos naturais e, a partir de 1981, passou a pesquisar o cultivo. Hoje o Instituto de Pesca dispõe de um pacote tecnológico, transferido ao público interessado através de publicação de artigos científicos e da divulgação, realização de cursos, palestras e atividades práticas, de campo e atendimentos e consultas (pessoais ou por cartas) de diversos pontos do Brasil e do Exterior. O atendimento é das 8:00 horas as 17:00 horas, na Base de Pesquisa do Litoral Norte. Estrada do Cais do Porto no. 2275 - fone (012) 432.1254 - Ubatuba SP.

13 - PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR

Núcleo da Picinguaba. Administrado pela Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, através do Instituto Florestal. Situa-se no km 10 da Rodovia Rio/ Santos BR 101. O Parque Estadual da Serra do Mar, foi criado em 1977.(DEC.10.251) e ampliado em 1979, quando foi incluída a região da Picinguaba. Os objetivos básicos do núcleo são: A interação dos fatores Históricos-Antropológicos com o estudo dos ecossistemas da Serra do Mar, seu Litoral e sua preservação e a criação de um centro de apoio a pesquisa e a educação ambiental, voltados para estudantes, visitantes, pesquisadores e para a população local.

 

 

ROTEIRO CULTURAL TURÍSTICO

  01 - CASARÃO DO PORTO

Construído em 1846, servia de casa comercial e moradia para BALTAZAR FORTES. Foi Hotel em 1930, mais tarde comprado por um industrial de Taubaté, Félix Guisard, que usava como residência de verão. Desde 1987 abriga a Fundação de Arte e Cultura (FUNDART), e Museu Regional. Rua Félix Guisard, Centro de Ubatuba.

02 - MUSEU REGIONAL DE UBATUBA

Casarão Colonial. Apesar de ter sido criado em 1967, na gestão do prefeito Ciccillo Matarazzo, permaneceu 20 anos estagnado no porão da Câmara Municipal, lutando contra a umidade e má ventilação. O acervo foi danificado e reduzido a meia dúzia de objetos. Contém material do sítios arqueológicos e cerâmicas do Tenório e Itaguá. Conta também com o material arqueológico do mar virado, ainda em pesquisa. Av. Iperoig, No. 218.

 

03 - CÂMARA MUNICIPAL

Prédio construído no século XIX, antiga residência de Thomáz Galhardo, autor da primeira cartilha de alfabetização do Brasil.

04 - PRAÇA DO CRUZEIRO

Localizada na praia de mesmo nome, no centro da cidade, onde o Padre José de Anchieta escreveu o "Poema à Virgem", ali encontra-se também a Cruz da Paz de Iperoig, primeiro tratado de Paz firmado no Brasil entre portugueses e Tamoios (14.09.1563).

 

05 - MORRO DE SÃO PEDRO

Belvedere natural, da onde se avista a orla da Praia do Cruzeiro e toda a parte Histórica de Ubatuba; ostentando a Imagem de São Pedro pescador, padroeiro dos pescadores. Inserido no ano de 1.997, durante a gestão Zizinho Vigneron. Onde acontece todos os anos o ponto alto dos festejos do santo: A procissão no mar e a benção dos anzóis.

06 - IGREJA EXALTAÇÃO À SANTA CRUZ

Localizada na praça de mesmo nome, foi construída na metade do século XVIII e inaugurada em 1866. Com decadência do ciclo do café, umas de suas torres ficou sem terminar.

 

07 - CADEIA VELHA

Localiza-se na Praça Nóbrega. Reformada por Euclides da Cunha em 1903. Não há registro documental do ano de sua construção.

08 - BIBLIOTECA PÚBLICA MUNICIPAL

Com acervo de 17.000 volumes. Jornais do dia, revistas, eventos paralelos, como exposições culturais. Três seções: infantil, referencial e circulante. Praça 13 de Maio, 52, Centro.

 

09 - MERCADO MUNICIPAL DE PESCADOS

Fica no centro da cidade e tem uma estrutura que abriga cerca de 60 pescadores artesanais e alguns comerciantes. Possui Câmara frigorífica, quatro banheiros, comercializa pescados de todos os tipos. Funciona diariamente no horário comercial. Telefone (012) 434.1010.

 

 

PRAIAS DE UBATUBA
  Divisa de Ubatuba/ Caraguatatuba - 33.5 Km
  GALHETAS

Praia semi selvagem com acesso por estrada de terra. Localizada no extremo sul da Serra da Caçandoca, ao lado a ponta das galhetas. 32 Km do centro. Apropriada para náutica.

FIGUEIRA

Acesso por trilha pelo morro da Caçandoca ou por barco. Fica de frente á Ilha do Tamanduá. Apropriada para náutica.

PONTA AGUDA

Apesar das dificuldades de acesso, é muito procurada para pesca e náutica. Acesso pelo morro da Caçandoca.

MANSA

Praia selvagem, junto ao morro da Caçandoca. Acesso por via marítima ou através do paredão da ponta Aguda, Próprio para náutica.

LAGOA

Pequena enseada do lado sul do Morro da Caçandoca. Há ruínas do tempo do Império, quando o local era usado para o tráfico de escravos. Com acesso por trilha iniciada na Praia da Maranduba, fazendo-se necessário a presença de um monitor de ecoturismo, ou por barco. Próprio para náutica.

FRADE

Ótimo para Surf. Frente para o mar aberto. Situada no sopé do Morro da Caçandoca.

SACO DA BANANA

Encosta aberta; amendoeiras, e há o cultivo de bananas. próprio para pesca e náutica.

RAPOSA

Pequena, cercada por altos costões. Quase na ponta do Melo. Acesso por trilha que vem da Caçandoquinha atravessando a Mata Atlântica. Própria para náutica.

CAÇANDOQUINHA

Para atingi-la pega-se uma trilha subindo o Morro da Caçandoca. Boa para pesca. Praia pequena de águas ‘límpidas e areias brancas, orla com amendoeiras, Própria para náutica.

CAÇANDOCA

Dista 6Km da Maranduba. Boa para banho, contando com um riacho cristalino que corre nas proximidades. 31Km do centro.

PULSO

Ocupada por um condomínio de luxo, contrastando com as selvagens praias vizinhas. Recebe água do córrego Caçandoca. Areias claras, orla com árvores frutíferas, á 400 m está a Ilha do Tamanduá. próprio para náutica e compras. 29Km.

MARANDUBA

Movimentadíssima praia, com características de uma pequena cidade em franca atividade comercial. Conta com diversos Campings. Na temporada a praia que se encontra sombra e fácil estacionamento, é freqüentada por 12.000 pessoas. Barcos de aluguel levam á Ilha da Maranduba, da Ponta, do Mar virado. Possui hotéis, pousadas, chalés; telefones, quiosques, salva-vidas, condomínios, e belas casas de veraneio. Próprio para pesca, náutica, Surf.

SAPÉ

Própria para Surf e banho, onde o freqüentador pode sem maior esforço, desfrutar das vantagens oferecidas pelas praias vizinhas. 27Km

LAGOINHA

Areia compacta, águas plácidas na maior parte do tempo, justificando o nome. Sendo utilizada para esportes náuticos, embora em suas extremidades haja ondas apreciadas pelos surfistas. Boa infra-estrutura gastronômica e hoteleira. Passeio as ruínas da Lagoinha e 1ª. fábrica de vidro no Brasil (sec.XVIII).

OESTE

Acesso por trilha ou barco, do lado norte da praia da Lagoinha. Mar calmo. Próprio para náutica

PERES

Mar calmo. praia pequena. Conta com um restaurante. Acesso por trilha ou barco. próprio para pesca e náutica.

BONETE

Acesso por uma trilha através de uma mata bela e exuberante, ou por barco á partir da Lagoinha. possui casas de veraneio, uma vila típica e serviços de bar e restaurante.

PRAIA GRANDE DO BONETE

Mesma situação da Praia do Bonete.

DO DESERTO / CEDRO DO SUL

Acesso por trilha, ao lado da Praia Grande do Bonete. Mar bravio e difícil acesso devido a mata.

FORTALEZA

Praia linda com águas tranqüilas, possui em sua área residências de elevado padrão e uma reserva natural de mata Atlântica. Orla com amendoeiras. possui hotel , restaurante, lanches. Bom para mergulho, pesca e náutica.

BRAVA DA FORTALEZA

Praticamente selvagem, areias e águas muito ‘limpas. Próprio para mergulho e náutica.

PRAIA DO COSTA

Pouco explorada, águas ótimas para banho. Própria para náutica.

VERMELHA DO SUL

Praias de tombo, ideal para pesca de linha e esportes náutico, areia avermelhada, cercada de arvoredo e casas de veraneio, belo visual. Possui telefone, própria para Surf e náutica.

DURA

Areias firmes e águas mansa no fundo da baia de Fortaleza. Antiga fazenda do sec. XVII, foi substituída por um condomínio. Própria para mergulho e náutica. 19Km

BARRA OU PALMIRA

Junto as barras dos rios Escuro e Comprido. o condomínio no local ocupa uma área onde havia uma fazenda do sec. XVII.

DOMINGAS DIAS

Praia rústica e bonita, areias grossas e soltas, águas límpidas, condomínio sofisticado, ótima para banho e esportes, acesso pela praia do Lázaro. própria para banho e pesca. 16Km

LÁZARO

Boa infra estrutura de serviços, águas calmas, muita sombra, areia clara e fina, junto a um bairro residencial. Parecendo uma piscina natural de água salgada. oferece espetacular crepúsculo. pela posição em relação a enseada, permite a visão de um por do sol cinematográfico com reflexos formando um tapete multi-colorido sobre as águas. Conta com vida noturna agitada, com bares , restaurantes e hotéis, quiosques onde acontecem luaus e pagodes na temporada, reunindo gente animada e bonita. A praia do Lázaro também é famosa pelo seu carnaval, o mais animado das praias de Ubatuba. próprio para náutica em geral. 15Km

SUNUNGA

Areia grossa repleta de conchas, ondas fortes, boa para Surf. Possui do lado esquerdo a gruta que chora que do teto verte água quando emitem sons fortes em seu interior. Do costão, vista para o mar aberto. Dois quiosques abastecem a praia com seus quitutes. Própria para náutica e pesca.

SETE FONTES

Belíssima praia. Seu acesso por terra, a partir da rodovia é muito difícil, exigindo longa caminhada que inicia no Saco da Ribeira, passando pelo Flamengo, até onde a trilha é leve, porém a partir deste local o caminho torna-se bastante difícil. Os passeios de escuna que vão a Ilha Anchieta atinge esta praia também. Conta a lenda que uma dessas sete fontes de água doce que abastece a praia possui o elixir da juventude.

Própria para náutica e pesca.

FLAMENGUINHO

sem acesso

FLAMENGO

Enseada natural caracterizada pelos coqueiros e matas exuberantes. Exibindo uma pequena fonte de água mineral á esquerda do sopé da trilha. Própria para náutica

DIONÍSIA / RIBEIRA

Em plena baia do Flamengo, faixa de areia estreita. Própria para náutica.

SACO DA RIBEIRA

Sinônimo de atividade náutica. Possui ancoradouro natural, com movimentadas marinas que abrigam veleiros de várias partes do mundo, e um bairro costeiro voltado para as atividades oceânicas; clubes, garagens, náuticas, oficinas, e lojas de artigos para embarcações. Ponto de partida de escunas , iates, e barcos para passeios na Ilha Anchieta, Couves, Cabras, etc...

Porto natural, um cartão postal de Ubatuba. Possui telefone, lanchonete, restaurante. Próprio para náutica.

LAMBERTO

Destinada a pesquisadores do Instituto Oceanográfico da USP

SANTA RITA

Nesta praia o mar é extremamente calmo, pois ela fica junto a uma ponta que separa o Pereque-Mirim da enseada. Oferece muita tranqüilidade e segurança. É famosa por suas pedras, as quais a ser percutida emitem uma sonoridade semelhante a de um sino. Própria para pesca e náutica.

PEREQUE - MIRIM

Possui ancoradouro para barcos pequenos de pesca, bares e restaurantes. Na ponta sul da praia , peixes recém capturados á venda. Praia protegida do mar aberto, com águas tranqüilas.

ENSEADA

Um dos principais centros hoteleiros e gastronômicos de Ubatuba, águas turmalinas e tranqüilas, barcos de passeios, local para banho e prática de vela. Próprio para mergulho e náutica em geral.

PRAIA DE FORA / PRAINHA DE FORA / ITAPECERICA

Estas três praias se localizam na ponta do Espia, bem defronte a Ilha Anchieta. Acesso só por trilha ou barco. Mar perigoso com ondas fortes e lajes submersas.

GODOI

Praia de mar perigoso e ondas fortes.

TONINHAS

Conhecida internacionalmente. É indicada para esportes náuticos. E famosa também pela alta qualidade de seus serviços turísticos, com ótimos hotéis, pousadas, restaurantes, e quiosques de praia, notabilizando-se também pelos cuidados com seu urbanismo e saneamento. Uma praia inclinada para o mar, areias finas amareladas, ondas fortes, vários condomínios e casas de veraneio; no início de verão, época de acasalamento, aparecem toninhas (golfinhos) perto da praia.

GRANDE

Preferida pelos surfistas, É a praia mais freqüentada de Ubatuba . Embora perigosa em alguns trechos, que são sinalizados, é própria para canoagem e wind Surf . Tem toda infra estrutura, inclusive sanitários, estacionamento e um posto de salva vidas. Durante a temporada acontecem as principais atividades promovidas pela prefeitura e COMTUR. Apelidada de Ipanema, possui areias brancas e finas, ondas fortes, quiosques que servem bebidas e petiscos com musica ao vivo.

TENÓRIO

Menos de 500 m de extensão, em plena zona urbana, areia fina e branca, mar perigoso em alguns locais. Salva- vidas orientam banhistas quanto ao perigo; orla arborizada por abricoeiros. Praia de alta freqüência. Estacionamento fora do condomínio. Própria para Surf.

VERMELHA DO CENTRO

No lado inferior da Ponta Grossa, areias avermelhadas, soltas e com conchas, ondas fortes, mata nativa, casas amplas e rancho de pesca. Própria para mergulho e pesca.

CEDRO

No lado norte da Ponta Grossa, perto do Farol, acesso pela estrada que começa na Praia Vermelha, praia pequena de tombo, com ótimos locais para mergulho. O ponto referencial para a entrada da praia do cedro é uma plantação da espécie de mesmo nome. Própria para Surf

ITAGUÁ

Praia urbana, começa na foz do rio Acaraú, e vai até a foz do rio Lagoa. Avenida da orla urbanizada, quase completamente tomada por hotéis, bares, restaurantes, quiosques, shopping center, identificando-se com um agradável boulevard. própria para pesca e náutica.

CRUZEIRO OU IPEROIG

Aqui Padre José de Anchieta escreveu o celebre poema á Virgem; Cruzeiro de Anchieta começa na foz do rio Lagoa e vai até a foz do Rio Grande, passando pelo aeroporto, vida noturna agitada, point jovem. Própria para pesca.

PRAIA DO MATARAZZO

Localizada ao pé do Morro Curuçá., tendo como ponto importante a ex. residência de verão da família Matarazzo. Pequena estreita, muitas pedras, imprópria para banho, ruínas da antiga alfândega. Proporia para mergulho, Surf, náutica.

BARRA SECA

É uma continuação do Pereque Açu, do outro lado do rio Indaiá Seu acesso é possível por uma estrada de terra. Destaque para a tranqüilidade deste lugar.

SACO DA MÃE MARIA

Localizado ao lado da ponta do Alegre. Seu acesso por trilhas estreitas entre rochas, mantendo a praia isolada e protegida. De ondas fortes e muitos rochedos.

VERMELHA DO NORTE

Surfistas com prática são seus principais frequentadores e admiradores. Suas ondas quebram violentamente na praia exigindo deles especial habilidade. Localiza-se no saco entre o Ponta do Alegre e a Ponta do Respingador. Dispõe de camping, parque aquático, o Red Beach Park onde realizam- se Shows e festas noturnas.

ALTO

Ao lado da Ponta do Respingador. Acesso por trilha íngreme, porém curta. Águas calmas e azulada. Própria para Surf.

ITAMAMBUCA

Point para a prática de Surf, suas ondas são enormes e perfeitas. Destaca-se pela natureza exuberante com muito verde e a desembocadura de três rios de águas límpidas. Os dois rios que deságuam á direita formam um lago, onde há atividades recreativas. Abrigada por um condomínio de luxo e palco perfeito para empolgante certames, entre eles a final do campeonato brasileiro de master, também a etapa classificatória do mundial da categoria. Areias brancas e soltas e própria para mergulho e náutica também.

PRAINHA

Junto a ponta da Jamanta, acesso por barco ou trilha na mata.

FÉLIX

Praia de tombo com ondas fortes; no canto direito há uma piscina natural; em frente a Ilha Laje Grande, local de pesca para garoupa. Seu canto esquerdo é favorável para o Surf. No canto direito o mar é calmo com boas sombras na praia. Próximo a entrada, na rodovia, atrás do posto da Policia Rodoviária, há um mirante de onde podem ser vistas as belezas da Praia do Felix e das Ilhas da redondeza. Própria para pesca e mergulho também.

DO LÚCIO OU DAS CONCHAS

Repletas de conchas que cobrem a areia da praia. Acesso possível por trilha entre a mata, á partir da Praia do Felix. Própria para pesca.

LÉO

Praia pequena e estreita, localizada na baia do Ubatumirim.

Própria para pesca e náutica.

MEIO

Lado direito do Saco do Durval, na baia do Ubatumirim. Praia bem próxima a rodovia e em estado selvagem.

PURUBA

Na entrada da baia do Ubatumirim, entre o Saco do Durval e a Ponta do Arpoador. De um lado água doce do Rio Puruba, e do outro as águas salgadas do Atlântico cobrindo a praia na maré alta. Acesso por estrada na mata. Local para banho, pesca e mergulho. No vilarejo de pescadores, há uma capela construída no início do século. O conjunto de rio e praia impressiona pela sua grandeza. Na temporada de verão, na aldeia de pescadores, serve-se comida caseira.

JUSTA

No canto da baia do Ubatumirim junto ao vilarejo de Quiririm, acesso estrada de terra.

Próprio para pesca.

UBATUMIRIM

Cercado de muito verde, rasas com águas pacíficas, areias brancas e finas, é ideal para crianças. Também cercada por pequenos rios (três deles desembocam na praia) e nascentes. A maior parte de seus moradores se ocupam da pesca, principalmente, da tainha no inverno. Ilhas ao longo.

ALMADA / ENGENHO

Pequenas praias no lado norte da baia do Ubatumirim, separados por rochedos, ainda conservam características de uma vila de pescadores, voltado para Ilha dos Porcos.

Freqüentada por colunáveis, e excelente para prática de Surf devido a irregularidade de suas ondas. Todos os anos, Almada oferece o Festival do Camarão , que já faz parte do calendário de eventos do município. Possui árvores centenárias e vegetação abundante. Seu acesso é possível por uma estrada de Km saindo da rodovia. Os pescadores do local além de oferecerem peixe fresco em grande variedade, proporcionam passeios de barco pela baia de Picinguaba. De lá é possível o acesso a outras praias através de trilhas. Própria para pesca e náutica.

BRAVA DO NORTE

Localiza-se entre a Ponta do Espia do Farol. Ondas fortes; é a primeira praia da baia de Picinguaba. Próprio para Surf

FAZENDA

Sede administrativa do Núcleo Picinguaba. Onde sobrevivem núcleo de pescadores e uma antiga fábrica de farinha dos caiçaras, areias claras, mar manso. Própria para náutica e Surf

PICINGUABA

Em tupi-guarani quer dizer refúgio de peixes. Vila tombada pelo Patrimônio Histórico. Casas de veraneio, restaurante, pousada,. Passeio de escuna pelas Ilhas próxima. Águas verdes e calmas; Pedra da Tartaruga. Caminhada pelas trilhas da floresta e mergulho.

BRAVA

Do outro lado da Ponta da Picinguaba, cortada por um córrego, acesso por estradinha de terra, águas boa para Surf.

CAMBURI

Última praia de Ubatuba, no sentido norte, antes da divisa com o Estado do Rio de Janeiro (Parati).

Na sua entrada de acesso localizada a 1Km da rodovia, á esquerda, encontra-se a belíssima cachoeira da Escada, ponto obrigatório de parada. A praia é selvagem a ponto de não ser servida por energia elétrica.

De mar aberto, com formato de ferradura, seus pontos de arrebentação apresentam declives acentuados. Recebe também as águas do Rio Picinguaba. Há bares abertos na temporada, um pequeno, povoado caiçara. Camping e pequeno comércio de peixes. Própria para pesca e Surf.

 

 

ILHAS DE UBATUBA
  ORIGEM

Acredita-se, segundo pesquisas científicas, que a origem pode estar na separação de porções do continente por erosão de uma península primitiva ou na variação do nível do mar durante os períodos glaciais.

CARACTERÍSTICAS

Ubatuba possui seu Litoral bastante recortado, formando pequenas baias delimitadas por esporões de serra que mergulham no mar. Nessas baias as planícies costeiras são pouco desenvolvidas. As ilhas são predominantemente rochosas e as praias arenosas insulares pouco numerosas e geralmente pequenas em extensão.

UBATUBA POSSUI

16 ILHAS: 01 - Ilha Comprida; 02 - Ilha das Couves; 03 - Ilha da Pesca; 04 - Ilha da Selinha; 05 - Ilha da Pedra; 06 - Ilha dos Porcos; 07 - Ilha Redonda; 08 - Ilha Rapada; 09 - Ilha do Negro; 10 - Ilha Pequena; 11 - Ilha do Promirim; 12 - Ilha das Palmas; 13 - Ilha Anchieta; 14 - Ilha do Mar Virado; 15 - Ilha da Ponta; 16 - Ilha da Maranduba.

07 ILHOTES: 01 - Ilhote da Carapuça; 02 - Ilhote da Comprida; 03 - Ilhote das Couves; 04 - Ilhote das Cabras; 05 - Ilhote do Sul; 06 - Ilhote de Fora; 07 - Ilhote de Dentro;

08 LAGES: 01 - Mofina; 02 - Pequena; 03 - Grande; 04 - Feia; 05 - Das Palmas; 06 - Do Forno; 07 - Grande do Perequê; 08 - De Dentro.

ILHAS

  ILHA DOS PORCOS PEQUENA

Tem área de 24,2 hectares, seção plana, 0,74 Km distante da Costa, tem como cobertura vegetal a Mata Atlântica. tem área de cultivo e o tipo de Costa em areia e rochas. A Ilha é particular e o proprietário é dono do Hospital Modelo em São Paulo e o único morador da Ilha é o caseiro. Possui Latitude Sul em 23o23’ e Longitude Oeste em 44o56’.

ILHA PEQUENA

Tem uma área de 5,5 hectares, seção plana, 1,48 Km distante da Costa, tem como cobertura vegetal a Mata Atlântica, não tem área de cultivo e no tipo de Costa predominam as rochas. Possui Latitude Sul em 23o23’ e Longitude Oeste em 44o56’.

ILHA DO PROMIRIM

Tem uma área de 30 hectares, seção plana, 70 Km distante da costa, tem como cobertura vegetal a Mata Atlântica onde predomina a vegetação de restinga, campo de samambaia e campos graminosos. Tem área de cultivo e o tipo de costa em areia e rochas. O único habitante é um pescador que cuida da Ilha. Na alta temporada recebe passeios de escuna. Possui Latitude Sul em 23o23’ e Longitude Oeste 44o57’. É alvo de lendas dentre as quais se destaca a lenda da Ilha Mal Assombrada: Conta-se que um certo dia três homens queriam viajar para São Sebastião em canoas à remo, como era costume. Iam pegar um carregamento de pinga no engenho do Ubatumirim. Levariam pinga e peixe salgado para vender no bairro e pretendiam trazer de lá panelas de barro que venderiam em Ubatuba. Passando perto da Ilha do Promirim, como ainda era muito cedo, resolveram chegar à Praia e puxaram a canoa bem lá pra cima, na areia enxuta, deitaram em baixo da canoa e dormiram. De repente um deles acordou e viu que a embarcação não estava mais lá. Sumira, sem deixar rastro. Eles ficaram morrendo de medo, sem entender o que havia acontecido. Então viram um pássaro muito grande que passou voando por cima dos três. e quando chegou no pontal da Paria, desapareceu no ar. Eles ficaram com muito medo ainda. Quando o dia começou a clarear, olharam para a Praia do Puruba e viram que canoa ia já quase batendo na costeira. Fizeram uma promessa e começaram a rezar. Foi quando bateu um vento, um terralão da Barra do Puruba que veio empurrando a canoa em direção a eles. Eles a encontraram em perfeito estado, os remos e tudo lá direitinho. Teodoro, João Lúcio e Manoel Lúcio passaram um medo terrível e sempre contam esta estória, dizendo que não queriam mais papo com a Ilha do Prumirim.

ILHA DO MAR VIRADO

Tem uma área de 119 hectares, seção plana, 22 Km distante da Costa, tem como cobertura vegetal a Mata Atlântica, onde predomina vegetação de restinga, manguezal, campo de samambaias e campo graminoso. Não tem área de cultivo e o tipo de costa é em areia e rochas. Abriga um Sitio Arqueológico pré-histórico. Pesquisas feitas por técnicos do Museu de Arqueologia e Etnologia da U.S.P. comprovaram que a Ilha foi habitada por um grupo denominado "Coletores - Pescadores da Pré-história", que não conheciam a escrita e nem a cerâmica. Comiam caça de pequeno e médio porte, peixes, moluscos, guaiás e mamíferos marinhos. No local foram encontrados esqueletos humanos, lascas de pedra e alimentação variada como conchas, restos de peixe e de mamíferos entre outros. A Ilha está interditada à visitação até o término das pesquisas em obediência Estadual e Federal. A Ilha é particular e os únicos moradores da Ilha são: o sobrinho (O Sr. Messias) e o caseiro do proprietário. Possui Latitude Sul em 23o34’ e Longitude Oeste 45o09’.

ILHA DA PESCA

Tem uma área de 4,2 hectares, seção plana, 1.l8 Km distante da Costa, tem como cobertura vegetal a Mata Atlântica onde predomina a vegetação de campo de samambaias e campo graminoso. Não tem área de cultivo e o tipo de Costa predominam as rochas. Possui Latitude Sul em 23o.23’ e Longitude Oeste em 44o.53’.

ILHA DA SELINHA

Tem uma área de 2,0 hectares, seção plana, plana, 1,67 Km distante da Costa, tem como cobertura vegetal a Mata Atlântica. Não tem área de cultivo e o tipo de Costa predomina as rochas. Possui Latitude Sul em 23o.23’ e Longitude Oeste em 44o.53’.

ILHA REDONDA

Tem uma área de 6,0 hectares, seção plana, 1,29 Km distante da Costa, tem como cobertura vegetal a Mata Atlântica. Não tem área de cultivo e o tipo de Costa predominam as rochas. Possui Latitude Sul em 23o.21’ e Longitude Oeste em 44o.53’.

ILHA DA RAPADA

Tem uma área de 11,2 hectares, seção plana, 5,80 Km distante da Costa, tem como cobertura vegetal a Mata Atlântica. Não tem área de cultivo e o tipo de costa predominam as rochas. Possui Latitude Sul em 23o.23’ e Longitude 44o.54’. É alvo de uma lenda que conta-se (os antigos): que na ilha se jogavam as pessoas mortas, que segundo eles a terra não aceitavam, conhecido como corpo seco, até alguns pescadores ainda encontram assombrações por lá. Para mergulho a Ilha destaca-se como o lugar mais visitado.

ILHA COMPRIDA

Tem uma área de 29,7 hectares, seção plana, 0,88 Km distante da Costa, tem como cobertura vegetal a Mata Atlântica onde predomina o campo de samambaias e o campo graminoso. Não tem área de cultivo e o tipo de Costa predomina a areia e a rocha. Possui Latitude Sul 23o.24’ e Oeste 44o.51’.

ILHA DAS COUVES

Tem uma de área 64,5 hectares, seção plana, 2,53 Km distante da costa, tem como cobertura vegetal a Mata Atlântica onde predomina a vegetação de restinga, campo de samambaias e campo graminoso. Não tem área de cultivo e o tipo de Costa predomina a areia e rocha. Possui Latitude Sul em 23o.25’ e Longitude Oeste em 44o.51’.

ILHA DO NEGRO

Tem uma área de 0,7 hectares, seção plana, 0,07 Km distante da Costa, tem como cobertura vegetal a Mata Atlântica onde predomina o campo de samambaias. Não tem área de cultivo e o tipo de Costa predominam as rochas. Possui Latitude Sul em 23o.20’ e Longitude Oeste em 44o.54’.

ILHA DAS PALMAS

Tem uma área de 15,5 hectares, seção plana, 5,75 Km distante da Costa, tem como cobertura vegetal a Mata Atlântica onde predomina campo de samambaias .Não tem área de cultivo e o tipo de vegetação predominam as rochas. Possui Latitude Sul em 23o.33’ e Longitude 45o.02’.

ILHA DA PEDRA

Tem uma área de 1,0 hectares, seção plana, 0,74 Km distante da costa, tem como cobertura vegetal a Mata Atlântica. Tem área de cultivo e o tipo de Costa predomina a rocha. Possui Latitude em 23o.21’ e Longitude 44o.54’.

ILHA ANCHIETA

Tem uma área de 828 hectares, seção plana, 0,49 Km distante da Costa, tem como cobertura vegetal a Mata Atlântica onde predomina a vegetação de restinga, manguezal, campo de samambaias e campo graminoso. Tem área de cultivo e o tipo de costa predomina areia e rochas. Possui Latitude Sul em 23o.32’ e Longitude Oeste em 45o.03’. A Ilha Anchieta é uma das principais atrações de Ubatuba. Abriga ruínas de um antigo Presidio Estadual, desativado em 1952 e lindas praias selvagens. Numa trilha já demarcada, o visitante poderá encontrar alguns animais que fizeram parte de um programa de repovoamento do governo do Estado de São Paulo. É muito comum passeio de escuna até a Ilha, em virtude de sua rica beleza natural. O passeio dura 4 horas, geralmente com saída do Saco da Ribeira e da Praia da Enseada. A pesca é proibida em todo o perímetro da Ilha.

ILHA DA PONTA

Tem uma área de 6,5 hectares, seção plana, 0,43 Km distante da Costa, tem como cobertura vegetal a Mata Atlântica. Não tem área de cultivo e o tipo de Costa predominam as rochas. Possui Latitude Sul em 23o.32’ e Longitude Oeste em 45o.13’.

ILHA DA MARANDUBA

Tem uma área de 6,2 hectares, seção plana, 0,35 Km distante da Costa. tem como cobertura vegetal a Mata Atlântica. Não tem área de cultivo e o tipo de Costa predomina a areia e a rocha. Possui Latitude Sul em 23o. 24’e Longitude Oeste em 45o.13’.

 

 

CALENDÁRIO DE EVENTOS
    DEZEMBRO À JANEIRO
Projeto Verão 22 - Abertura Oficial do Verão;

24 - Natal

31 - Reveillon

- Eventos nas Praias *

FEVEREIRO
Carnaval *
Ø Apresentação das escolas de samba;

Ø Blocos carnavalescos;

Ø Baile Popular com a Banda Lira Padre Anchieta;

MARÇO
Semana Santa *
Ø Encenação da "Paixão de Cristo" na Av. Iperoig;

MAIO
Prova Natatória "Cidade De Ubatuba *

JUNHO
Festas Juninas Dia 13 - Festa de Santo Antonio no Sertão do Puruba;

Ø Dia 24 - Festa de São João na Capela do Itaguá;

Ø Dia 29 - Festa de São Pedro Pescador no Aeroporto;

JUNHO
Etapa do Circuito Brasileiro de Surf *;

Festival do Camarão na Praia da Almada *;

Festa do Divino Espirito Santo na Paróquia Exaltação à Santa Cruz *;

AGOSTO
Dia 06 - Festa do Bom Jesus na Ilha Anchieta;

SETEMBRO
Semana de Anchieta - de 09 à 14
Ø Dia 14 - Paz de Iperoig;

Ø Dia 14 - Exaltação à Santa Cruz;

Ø Dia 14 - Festa da Santa Cruz na Praia do Puruba;

Ø Festa de Nª. Srª. Das Dores, no Itaguá *

OUTUBRO
Aniversário da Cidade - de 22 à 02/11
Ø Feira das Nações

De 22 à 24 - 3º. Encontro de Automóveis Antigos;

Desfile Cívico

 
  NOME DO MUNICÍPIO: UBATUBA
Origem Tupy Guarany = UBA
à canoas ou espécie de cana silvestre; TUBA à muitas.
  ÁREA
748.000 m2
  DISTÂNCIAS DAS CIDADES PRÓXIMAS
SÃO PAULO
à 240 Km;
RIO DE JANEIRO
à 310 Km
ANGRA DOS REIS
à 158 Km;
PARATY
à 72 Km;
CARAGUATATUBA
à 54 Km;
SÃO SEBASTIÃO
à 75 Km;
ILHA BELA
à 78 Km;
SANTOS
à 205 Km;
TAUBATÉ
à 100 Km;
DIVISA - RJ
à 49 Km;
  CLIMA - TEMPERATURAS MÉDIAS
Clima tropical úmido;
Temperatura média 21.2º;
Temperatura máxima: 26.8º;
Temperatura mínima: 17.0º;
PRINCIPAIS ATRAÇÕES TURÍSTICAS
1. RUÍNAS DA LAGOINHA;
2. RUÍNAS DA 1ª. FÁBRICA DE VIDRO DO BRASIL;
3. CASA DA FARINHA;
4. ILHA ANCHIETA;
5. CASARÃO DO PORTO.

DADOS DA PREFEITURA, SECRETARIA OU DEPTO. DE TURISMO

  • PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE UBATUBA

Av. Dona Maria Alves, Nº. 865 - Centro

11.680-000 - UBATUBA - SP

(012) 434.1000 - FAX: 434.1041 - 434.1088

  • COMTUR - COMPANHIA MUNICIPAL DE TURISMO DE UBATUBA

    Praça 13 de Maio, Nº. 200 - Centro

    11.680-000 - UBATUBA - SP

(012) 432.5382 - 432.5136 - 434.1062 - FAX: 432.5136

 

FONTE

As informações sobre a cidade foram fornecidas pela
COMPANHIA MUNICIPAL DE TURISMO DE UBATUBA (COMTUR)